PSB DESISTE DE FORMAR FEDERAÇÃO COM PT, MAS APOIO A LULA SERÁ MANTIDO

Os partidos realizaram hoje a quarta rodada de negociações, mas ela terminou sem acordo sobre estatuto conjunto das agremiações

Conforme adiantou hoje o site de notícias O Antagonista, integrantes do PSB defenderam o encerramento das negociações com os dirigentes do PT, PCdoB e PV para a formalização de uma federação de siglas de esquerda.

Hoje, os partidos tentaram, pela quarta vez, um acerto sobre o estatuto conjunto do consórcio de siglas. A reunião (foto) terminou sem acordo. O PT não aceitou as exigências do PSB sobre as regras da federação.

“São partidos com culturas diferentes que não estão preparados para andar juntos neste momento”, declarou o presidente do PSB, Carlos Siqueira.

Apesar disso, os quatro partidos estarão unidos no palanque do ex-presidente Lula. O PSB vai indicar o vice na chapa presidencial. A sigla espera apenas a filiação de Geraldo Alckmin, o que deve ocorrer na semana que vem.

“Em resposta ao atual momento político, o PT, o PCdoB e PV decidem caminhar para constituir a federação e continuará dialogando com o PSB em busca de sua participação, bem como, o envolvimento de outras do nosso campo”, afirmaram os partidos em nota conjunta divulgada há pouco.

Não houve acordo, por exemplo, em relação à divisão das cadeiras da assembleia nacional dirigente dos partidos. A assembleia teria 50 assentos. A primeira sugestão apontava que o órgão colegiado seria dividido com base apenas na representatividade da Câmara dos Deputados.

O PSB, porém, queria que fosse considerado, além da representatividade na Câmara, a quantidade de deputados estaduais e vereadores eleitos pelas siglas integrantes do consórcio. O PT foi contra.

Outro ponto de discordância diz respeito ao poder de veto do PSB nas principais decisões da assembleia dirigente. O partido queria incluir a possibilidade de veto ao partido que tivesse ao menos 15% da composição da assembleia. O PT também foi contra.

Outro nó nas negociações está relacionado às alianças para as eleições de 2022. Como a federação partidária obriga que os partidos caminhem juntos por quatro anos, os dirigentes do PSB entenderam que esse casamento comprometeria o projeto da sigla este ano e nas eleições municipais de 2024.

Em São Paulo, o PSB quer lançar Márcio França ao governo do Estado; o PT, o ex-prefeito Fernando Haddad.

Blog do Rosálio Daniel

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *