CINCO PESSOAS MORREM APÓS FORTES CHUVAS EM PETRÓPOLIS, REGIÃO SERRANA DO RIO DE JANEIRO

Cinco pessoas morreram em Petrópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro, após forte chuva que atingiu a cidade nesta terça-feira, 15, de acordo com informações da Defesa Civil do Rio de Janeiro repassadas ao portal G1. Em comunicado publicado nas redes sociais, a Defesa Civil Nacional informou que a forte chuva provocou transbordamento de rios e deslizamentos em cerca de 50 pontos no município. Equipes de resgate atuam neste momento, socorrendo pessoas ilhadas e soterradas.

A fisioterapeuta cearense Adakrishna Sampaio, 49, que mora em Petrópolis desde os três anos, conta que a chuva começou por volta de 16h30min e se estendeu até 18h30min, sempre com alta intensidade. Nesta noite, ela ficou presa no trânsito impossibilitada de retornar do trabalho para sua casa, devido aos impactos causados pelo temporal. “É comum acontecerem alguns desastres bem sérios por aqui em relação a isso, mas se restringem a um bairro específico. Hoje, boa parte da cidade foi afetada”, explica.

Adakrishna relata que a cidade registrou chuva nos últimos dias, mas não foi nada comparado ao que aconteceu hoje. O índice de chuva chegou a 221,4 milímetros em quatro horas, caracterizando um evento raro, que ocorre poucas vezes, segundo o portal especializado Climatempo. A tendência, conforme o site, é que a chuva continue, mas enfraqueça durante a madrugada desta quarta-feira, 15.

Em imagens que circulam pelas redes sociais, é possível ver carros sendo levados pela enxurrada e pontos da cidade que ficaram totalmente cobertos pelo nível da água. O portal local Tribuna de Petrópolis, divulgou relatos de uma escola que foi atingida pela enxurrada, onde alunos foram encaminhados para um pronto socorro, assim como a história de um homem que ficou segurando em um poste até que fosse resgatado no fim do dia.

O professor Aaron Sampaio, que também é cearense e mora em Petrópolis, conta que seu filho foi uma das crianças que ficou impossibilitada de sair da escola onde estuda. “Como era horário de saída das escolas, muitas crianças ficaram nas instituições”, disse. Ele recorda que vive transtornos em decorrência da chuva desde a década de 1980, quando precisou atravessar ruas do Centro da cidade com água na cintura.

Durante a chuva de hoje, Aaron estava trabalhando em uma escola próxima ao centro histórico da cidade. “Os acessos em torno do prédio ficaram alagados. O rio transbordou, a água foi para a rua e entrou no jardim do prédio. O muro tem cerca de 80 centímetros além da altura da rua e a água ultrapassou essa altura”, narrou o professor.

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), disse que oito ambulâncias vão ajudar no socorro às vítimas. Conforme o gestor, 120 bombeiros estão trabalhando no resgate às vítimas e mais 60 seguirão para a cidade. “Todo governo está mobilizado para atender as vítimas e ajudar o município”, garantiu o mandatário, que está em deslocamento para a região nesta noite.

O prefeito de Petrópolis, Rubens Bomtempo (PSB), afirmou nas redes sociais que já entrou em contato com várias empresas pedindo máquinas e recursos para combater os efeitos do desastre. Ele também disse que está em contato com o governador Cláudio Castro e pediu união de todos os atores para reconstrução da cidade.

Blog do Rosálio Daniel

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *